sábado, 23 de janeiro de 2016

Em Manaus, travesti é assassinado com dois tiros em ponto de prostituição, ao lado da Sefaz


Dentro de carro, suspeito do crime disparou dois tiros contra a vítima; imagens da câmera de segurança de um edíficio flagraram o crime.
Laís Motta - DEZ Minutos / portal@d24am.com
Local do crime onde travesti morreu com dois tiros.Foto: Reinaldo Okita
Manaus - Um travesti identificado como Cleteilson Alves, de 23 anos, mais conhecido como Ketelen, morreu com dois tiros na madrugada deste sábado (23), em um ponto de prostituição ao lado da sede da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), na zona centro-sul de Manaus. As informações constam no relatório de investigação da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).
Ketelen esperava clientes no ponto de prostituição na Rua Franco de Sá, bairro São Francisco, por volta das 2h30 de sábado, com, ao menos, dois travestis próximos a ela. Um homem que estava dentro de um carro modelo Fox cor preta, placa não identificada, parou para pedir informações a dois travestis antes de Ketelen, perguntando qual seria o valor do programa.
Em seguida, o homem, que também não foi identificado e tinha uma tatuagem em um dos braços, parou o carro perto de Ketelen e conversou com o travesti. Após conversar com Ketelen e sem descer do veículo, o homem deu dois tiros no abdômen da vítima.
A DEHS desconfia que o homem estava em busca de Ketelen e parou para pedir informações aos outros dois travestis apenas para ver o rosto da vítima. Os travestis que estavam próximos a Ketelen disseram à polícia que a vítima ainda aguardou por cerca de 30 minutos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e morreu no local do crime.
A ocorrência foi atendida por policiais da 1ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), que chegaram a conversar com Ketelen após o travesti levar os dois tiros.
A DEHS, que também esteve no local do crime, informou que, após o homicídio, os demais travestis voltaram normalmente ao trabalho.
No local onde Ketelen foi assassinada, há câmeras de circuito de segurança de um edifício privado e outras no prédio da Sefaz. A DEHS informou que vai buscar ter acesso às imagens para tentar desvendar quem cometeu o crime.
Nenhum parente ou amigo de Ketelen foi até o ponto de prostituição, na Rua Franco de Sá, após o crime. Os familiares ou conhecidos também não estiveram nas primeiras horas do sábado no Instituto Médico Legal (IML), na zona norte, não sendo encontrados pela reportagem do D24AM para comentar o caso